José Pinto-Coelho no Perdidos e Achados

PNR critica falta de meios e de autoridade na PSP

PNR critica falta de meios e de autoridade na PSP num país “de pernas para o ar”

O cabeça-de-lista do PNR criticou hoje a falta de meios e de autoridade com que a PSP trabalha, num país “de pernas para o ar” que protege o criminoso e onde o polícia é “um malandro”.

Na opinião de Humberto Nuno de Oliveira, Portugal é um “país que vive efectivamente de pernas para o ar”, onde, “independentemente dos momentos eleitorais”, toda a gente critica as forças de segurança.

“Na realidade, é bom que as pessoas saibam que as forças de policia tinham melhores condições em 1958 do que têm nos nossos dias, que foram perdendo regalias que foram sendo sucessivamente atacadas”, defendeu o cabeça-de-lista do Partido Nacionalista Renovador (PNR), em declarações aos jornalistas, no final de um encontro com o Sindicato dos Profissionais da Policia (SPP/PSP).

Para Humberto Nuno de Oliveira, a segurança é, juntamente com a educação e a saúde, um dos pilares fundamentais de sustentação da sociedade, mas tem sido desvalorizada com a contínua diminuição de meios materiais e humanos entre as forças de segurança e entende mesmo que em Portugal se protege mais o “criminoso” do que o agente da autoridade.

“As pessoas devem saber que se a policia não age é porque não tem meios, porque está desautorizada, está num pais de pernas para o ar onde o criminoso é sempre um bom, um desgraçadinho, um individuo cheio de problemas sociais e o agente da autoridade é sempre um malandro que persegue esses jovens desenquadrados, essa gente coitadinha, tão desprotegida da sociedade”, criticou.

Opinião partilhada pelo presidente do sindicato, António Ramos, que voltou a lembrar que para garantir a segurança de todos os cidadãos é preciso “uma polícia motivada no aspecto dos meios humanos e materiais” e voltou a defender a fusão entre a PSP e a GNR numa polícia nacional.

No final, e fazendo um balanço sobre as duas semanas de campanha eleitoral, o cabeça-de-lista do PNR salientou sobretudo um “aspecto negativo”.

“Neste país, a classe política dominante mentiu tão escandalosamente aos portugueses durante tantos anos, não cumpriu aquilo que prometeu, degradou de tal maneira, como vimos assistindo nesta campanha, onde entre os principais protagonistas o debate político tornou-se tão rasteiro, tão baixo, que de facto muitas pessoas se vêem afastadas da política e não acreditam nem na nossa proposta nem em nenhuma outra”, acusou.

Acrescentou ainda que para o partido, o “grande objectivo” para o dia 07 de Junho é conseguir eleger “um ou mais deputados”, mas “qualquer subida significativa” no número de votos “é já reconfortante para um partido com tanto bloqueio e tanta dificuldade em penetrar no conhecimento dos portugueses”. publico

PNR – Tempo de Antena – Europeias – (5 de 5)

Humberto Nuno Oliveira e José Pinto-Coelho – Europeias 2009

PNR no Chiado

PNR – EUROPA 2009

Do Presidente aos Nacionalistas | Abril de 2009

Neste mês de Abril não posso deixar de evocar três datas importantes que estão já aí ao virar da esquina:

> 25 de Abril.
Estranham por certo que me refira a esta efeméride como algo importante. Mas insisto que sim: importante pela negativa!
Assinalam-se os 35 anos de uma das páginas mais negras da nossa História quase milenar. Uma daquelas páginas que ombreiam com muitas outras de tragédia, traição ou humilhação, tais como, por exemplo, a Crise de 1383-85, o Domínio Espanhol, as Invasões Francesas, a Guerra Civil do século XIX, o Mapa Cor-de-Rosa ou o 5 de Outubro Maçónico e Jacobino.
Goste-se ou não do anterior regime, que estava podre, por certo, e minado por medíocres, a verdade é que no essencial não era anti-nacional. Já o 25 de Abril, feito pela verdadeira geração rasca, trouxe consigo a grande traição ao sangue português derramado no Ultramar e fez emergir uma classe política medíocre, oportunista, entranhadamente corrupta e anti-nacional que não tem parado de roubar Portugal e hipotecar o seu futuro.
Saímos do terror comunista do PREC e entrámos de seguida no horror deste sistema de destruição nacional, no qual os ditos defensores da liberdade e tolerância, mais não fazem do que blindar um sistema totalitário, hipócrita, dominado pela maçonaria e lóbis, cujos frutos podres estão bem à vista: perda da independência nacional, invasão imigrante, desemprego, precariedade, endividamento das famílias, cultura de morte (aborto, homossexualidade eutanásia, droga), criminalidade, corrupção, impunidade dos poderosos, fosso crescente entre ricos e classe média empobrecida, pobreza de um quinto da população, endividamento externo, envelhecimento da população, falta de esperança no futuro…
Eis pois, o “brilhante” legado da revolução abrileira que nos veio “libertar”…

> 26 de Abril
Contrastando com a triste véspera deste dia, será Canonizado um dos Grandes Portugueses de sempre! D. Nuno Álvares Pereira, Condestável do Reino, Guerreiro e Santo.
Os festejos que envolvem a especial evocação deste enorme português em nada se podem comparar com uma daquelas noitadas festivas por causa um qualquer troféu recebido numa prova desportiva internacional. Pelo contrário, a sua elevação a Santo enaltece a vida e obra de um Grande Português cuja conduta, entrega, Fé e patriotismo deveriam ser sempre uma luz orientadora dos Patriotas de todos os tempos. D. Nuno Álvares Pereira, esse Santo Nacional, é um português exemplar do qual, hoje e sempre, os nacionalistas se orgulham.
Eis mais um motivo de Orgulho Nacional que nos foi legado por um grande filho da Nação.

> 1º de Maio
Apelo a uma mobilização geral dos Nacionalistas rumo a Faro.
Estamos em pré-campanha, não só da eleição para o Parlamento Europeu, mas também, e no fundo de três actos eleitorais que são de extrema importância para a afirmação do PNR.
É imperativa pois, a generosidade e apoio efectivo ao partido que, contra todas as dificuldades, defende sempre Portugal e os portugueses.
E porquê este pedido de mobilização em Faro? Porque nesta cidade haverá uma conferência de imprensa de apresentação oficial do Cabeça de Lista do PNR às “Europeias”, Humberto Nuno de Oliveira, que precisa do apoio de todos os Nacionalistas e o merece! Assim, contamos com a vossa presença nesta conferência.
De seguida faremos a nossa manifestação do “Dia do Trabalho Nacional”. A presença dos nacionalistas, mais do que nunca, faz todo o sentido, neste momento em que se vive uma depressão gerada pela gula capitalista que endividou as pessoas, criou ilusões, incentivou ao consumo sem que este tivesse sido acompanhado pela produção, fez disparar o desemprego e as falências e, como sempre, quem mais sofre são as famílias e os trabalhadores.
Por isso, no Dia 1 de Maio(*) peço que correspondam ao meu apelo de mobilização e apoio ao PNR em Faro.

José Pinto-Coelho
3 de Abril | 2009

pnr.pt